FIBRA DE VIDRO, O Livro!

São 166 páginas repletas de todos os conceitos e segredos técnicos com FOTOS, DESENHOS, e TEXTOS, ensinando como fabricar peças em fibra de vidro desde a produção do molde até a fabricação da peça final. Acompanha também uma relação de fornecedores de matéria-prima.

É uma literatura técnica desenvolvida para você se tornar um profissional na fabricação de produtos em fibra de vidro!

Detalha as matérias-primas e ferramentas necessárias, ensina sobre acabamentos e os tipos de defeitos que podem ocorrer (com fotos) e explica como evitá-los. 

Fotos, desenhos e textos que ensinam tudo sobre Fibra de Vidro

Onde comprar?

 No Brasil (Clique)  Em Portugal ou outros países (Clique)

O que é Fibra de Vidro? (Fibra de vidro como fazer)

Fibra de Vidro é o material compósito produzido basicamente a partir da aglomeração de finíssimos filamentos flexíveis de vidro com resina poliéster (ou outro tipo de resina) e posterior aplicação de uma substância catalisadora de polimerização.

O material resultante é geralmente altamente resistente, possui excelentes propriedades mecânicas e baixa densidade.

Permite a produção de peças com grande variedade de formatos e tamanhos, tais como placas para montagem de circuitos eletrônicos, cascos e hélices de barcos, fuselagens de aviões, caixas d'água, piscinas, pranchas de surf, recipientes de armazenamento, peças para inúmeros fins industriais em inúmeros ramos de atividade, carroçarias de automóveis, na construção civil e em milhares de outras aplicações.

Quais são as Ferramentas necessárias?

Existem algumas ferramentas básicas e necessárias que você deve possuir.

Pincéis, preferencialmente trinchas de 2 a 4 polegadas de largura, preferencialmente 3 polegadas. Escolha um tipo de trincha que seja resistente à solventes ou no monômero de estireno para que ele resista durante a laminação.

Rolos de lã de carneiro para impregnar a fibra de vidro.

Roletes tira-bolhas. Há diversos modelos e tamanhos (5/8, 3/4, 1 e 1 1/2 polegadas). São utilizados para a compactação da resina no laminado e remover bolhas de ar.

Facas, lixas, espátulas, vasilha de preparo da resina, são também utilizados, e ferramentas elétricas são úteis em alguns casos, especialmente quando se trata de construção de uma peça de maior tamanho. São então: lixadeira, furadeira, compressor, revólver de pintura.

Altas Propriedades Mecânicas

Os plásticos reforçados com fibras de vidro tem alta resistência à tração, flexão e impacto, sendo muito empregados em aplicações estruturais.

Leveza

Fiberglass é leve.   Os laminados moldados por contato tem peso especifico 1.4, contra 2.7 para o alumínio e 7.8 para o aço.

Alta Rigidez Dielétrica

Fiberglass não conduz corrente elétrica, sendo usado como isolante estrutural em condições adversas.

Flexibilidade de projeto

Os plásticos reforçados com fibras de vidro permitem ampla flexibilidade de projeto, possibilitando a moldagem de peças complexas, grandes ou pequenas, sem emendas e com grande valor funcional e estético.

Estabilidade Dimensional

As peças de Fiberglass mantém inalteradas suas formas e dimensões em condições extremas de uso. O baixo coeficiente de dilatação térmica, aliado  baixíssima absorção de água, permitem o uso do Fiberglass ao lado de peças metálicas em aplicações sujeitas a grandes variações de temperatura e umidade.       

Resistência a Corrosão

Fiberglass não enferruja e tem excepcional resistência a ambientes altamente agressivos aos materiais convencionais. A resistência química do Fiberglass é determinada pela resina e construção do laminado.

Integração de Peças

Fiberglass permite a moldagem de peças complexas inteiriças, sem emendas, juntas, parafusos ou rebites.

Moldes Simples e Baratos

Fiberglass pode ser laminado em moldes simples e baratos, viabilizando a comercialização de peças grandes e complexas, com baixos volumes de produção. Mudanças de projeto são facilmente realizadas nos moldes de produção, dispensando a construção de moldes novos.  

Baixo Custo de Acabamento

Geralmente as peças de Fiberglass são moldadas na cor desejada, com gelcoat, dispensando pintura de acabamento.   

Baixo Custo de Manutenção 

Com Fiberglass, os custos de manutenção são baixos devido a alta inércia química e resistência às intempéries, inerente ao material.

As principais aplicações por segmento de mercado são: 

   Telas e Outras Aplicações Industriais        

Filtros, cordoalhas de uso no elétrico, retentores de baterias, reforço de cimento, revestimento de tubos, revestimento de paredes de navio, telas contra insetos, discos abrasivos, lixas abrasivas. 

   Aplicações Náuticas       

Construção, manutenção e reparos de cascos, equipamentos e acessórios de embarcações de recreio e militares, bóias de sinalização, tampas de motor e outros equipamentos. 

   Construção

Painéis decorativos, coberturas, domos, painéis de fachada, formas para concreto, banheiras e componentes para banheiras, silos para agricultura, depósitos, componentes de casas pré-fabricadas, painéis coletores de raios solares.

   Aplicações Elétricas e Eletrônicas

Placas isolante, pecas moldadas, perfis pultrudados, tubos fabricados por enrolamento, caixas de entroncamento, alojamento de lâmpadas, postes para iluminação.

   Aplicações Bélicas e Aeronáuticas

Mísseis, componentes para aeronaves particulares, comerciais e militares, de pequeno ou grande porte, planadores, armamento, domos para radar e sonar, blindagens, suporte militar de terra, peças para espaçonaves, lançadores de foguetes.

   Corrosão       

Tanques, tubos, conexões, chaminés, dutos, coifas, bombas, pás de ventilador, containers, componentes de torres de resfriamento, peças para tratamento de água e restilos industriais, tanques sépticos, tanques de água potável, revestimento de tanques.

   Máquinas, Equipamento e Eletrodomésticos

Engrenagens, carenagens, carcaças e bandejas para eletrodomésticos (lavadoras, secadoras, ar condicionado, umidificadores, etc.), refrigeração comercial, gôndolas e câmaras frigoríficas, aplicações em equipamentos para escritório (copiadoras, computadores, registradoras, bebedouros), carcaças protetoras para equipamentos industriais.       

   Artigos de Consumo

Varas de pesca, arcos, flechas, raquetes, parques infantis, escorregadores, bandejas, piscinas, trampolim, veículos recreativos, traillers, bancos de estádio, capacetes, peças de mobiliário residencial, caiaques, motor-home, pranchas de surfe, pedalinhos, cortadores de grama, móveis para lanchonete.

   Transporte

Equipamentos e bancos para automóveis, caminhões, carrocerias, ônibus, trens, caminhões-tanque, motocicletas, tratores, implementos agrícolas, containers, móveis, pallets, bandejas para movimentação de material, partes eletro-eletrônicas, discos de embreagem, pastilhas de freio.

   Outros Plásticos Reforçados

Capacetes de segurança, escudos de solda, recipientes de carga, bandejas e pallets para suporte de materiais industriais, recipiente para material de manuseio, guaritas e outros itens não classificados em outros segmentos.

 

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS DE LAMINAÇÃO MANUAL E A PISTOLA

 Vantagens oferecidas pelos processos de Molde Aberto.

Esta introdução apresenta os aspectos básicos essenciais dos processos de  laminação manual e a pistola. Nosso objetivo é preparar o leitor para o entendimento das informações mais detalhadas e especificas referentes a cada processo, a serem apresentadas mais adiante. 

 Detalhes de Laminação

Na laminação manual, as camadas de mantas e tecidos de fibras de vidro são posicionadas no molde e impregnadas com resina. No processo a pistola, as fibras de vidro (roving picado) e resina são atiradas simultaneamente sobre o molde por meio de equipamentos especiais. Nos dois casos, o assentamento das fibras contra as reentrâncias e saliências do molde é feito manualmente com roletes e pincéis.

Para moldagem de peças grandes e complexas, o processo de laminação a pistola é mais rápido que o manual. Além disso, a laminação a pistola usa fibras de vidro continuas (roving), mais baratas que as mantas. O processo manual é mais adequado para laminação de peças pouco complexas ou de espessuras reduzidas. Para peças com espessura nominal de 3 mm, a experiência indica variação média de (+ -) 0,5 mm na espessura, se a laminação for feita por processo a pistola. Essa variação de espessura deve ser esperada e levada em consideração no seu projeto.

 Vantagens

-          Rapidez de execução

-          Baixo custo de moldes

-          Facilidade de correção de erros no projeto

-          Baixos custos de iniciação

-          Simplicidade

 

Como Escolher o Processo de Laminação

Existem 5 princípios básicos que devem ser observados na escolha do processo de laminação:

1.   Propriedades Mecânicas

Não existem diferenças apreciáveis entre as propriedades mecânicas de laminados construídos manualmente (com mantas), ou a pistola (com roving picado). Porém, o processo manual permite a laminação com fibras de vidro tecidas, que tem melhores propriedades mecânicas que as fibras picadas. Portanto, quando forem desejados laminados com altas propriedades mecânicas, devem ser usados tecidos aplicados manualmente.

2.   Espessura

A variação de espessura por camada é menor nos laminados construídos com manta que naqueles laminados com roving picado. Esse fato ‚ relevante em peças pouco espessas, onde a variação relativa é apreciável.   Quanto mais espesso o laminado, menor a variação relativa de espessura. Na prática, pode ser adotada a seguinte regra de decisão:

* Espessura menor que 1,5 mm

            - laminação manual

* Espessura maior que 3,0 mm

            - laminação a pistola

* Espessura entre 1,5 mm e 3,0mm

            - depende da aplicação

3.   Complexidade e Tamanho

Peças muito complexas, não desenvolvíveis, devem, de preferência, ser laminadas a pistola.

Peças simples, desenvolvíveis, podem ser laminadas manualmente ou a pistola. Peças multo pequenas devem ser laminadas manualmente, para reduzir perdas de materiais.

4.   Ambiente de Trabalho

Em ambientes confinados, sem ventilação, é melhor usar o processo manual, que polui menos o local de trabalho.    A laminação a pistola libera multo estireno e pode causar desconforto aos operários.

5. Custo

Em geral os laminados construídos a pistola são mais baratos que os moldados manualmente.  Isso se deve à maior produtividade do processo, melhor aproveitamento das matérias primas e menor custo do roving em relação  a manta.

 

As fotos abaixo mostram os defeitos ocasionados na superfície do laminado (gelcoat).

Bolhas de água

Bolhas de ar

 

Descoloração em partes 

Desenho das fibras observável sob luz refletida

  

Ondulações ou rugas na superfície do gelcoat 

O gelcoat não forma camada contínua e nivelada, havendo a ocorrência de pequenas crateras

 

 "Delaminação"

Má aderência entre o gelcoat e o laminado estrutural 

"Pé de galinha"

 

Porosidades superficiais com aparência de "buracos" de alfinete.

"Trincas"

Isso é apenas uma pequena parte do conteúdo do livro!

 

O livro "Aprenda Fibra de Vidro, Fiberglass" é uma literatura técnica desenvolvida para você se tornar um profissional na fabricação de produtos em fibra de vidro!

Você aprenderá a desenvolver produtos em Fibra de Vidro, desde a confecção do molde às peças, com qualidade.  Detalha as matérias-primas e ferramentas necessárias, ensina sobre acabamentos e os tipos de defeitos que podem ocorrer (com fotos) e explica como evitá-los. 

São 166 páginas altamente condensadas de todos os conceitos e segredos técnicos com textos, fotos e desenhos e uma relação de fornecedores de matéria-prima.

 

Onde comprar? (Clique)

 "Conhecimentos que transformarão você em um profissional no assunto!"

Fibra de vidro como fazer

 

       

 Direitos reservados  - www.livrostecnicos.com   -   2005/2010